Diários de Bicicleta é uma síntese do livro com o mesmo nome, escrito por David Byrne ao longo dos últimos anos. Num estilo despojado que passeia entre ensaio, relato de viagens, diário pessoal e albúns de fotografia, David Byrne registra também suas reflexões sobre uma variedade de assuntos. O livro foi publicado no Brasil pela editora Amarilys.

segunda-feira, 31 de maio de 2010

San Francisco III

David Byrne*
Não é por acaso que a humilde garagem onde Bill Hewlett e Dave Packard começaram sua sociedade em Palo Alto é um ícone aqui. Como o estúdio Sun, em Memphis, onde nasceu o rock, ou Menlo Park, em Nova Jersey, onde Edison iluminou o mundo, esta garagenzinha bagunçada é reverenciada, em parte, porque não é nada especial. Ser tão comum é justamente o xis da questão. O primeiro produto deles foi um oscilador de áudio para testar equipamentos de som. A HP se refere a ele como "o tom ouvido ao redor do mundo".
A garagem é considerada o local de nascimento do Vale do Silício, o que a transforma na perfeita metáfora visual da doutrina qualquer-um-pode-fazer, que ainda está bem viva por aqui. Comece pequeno, pense grande. Pense fora da caixa. Pense diferente.
São todos pensamentos hippes, mas com outras palavras.
No primeiro boom das ponto-com, os preços das propriedades em uma cidade cercada como São Francisco (ou Manhattan) naturalmente dispararam. Garotos recém-formados que não estavam no mundo das ponto-com - jovens artistas, músicos, escritores, atores, excêntricos e boêmios, o tipo de gente pelo qual essa cidade era anteriomente famosa ( e que podem ter sido a inspiração para os sujeitos das ponto-com) - foi empurrado para as margens ou para Oakland e outros lugares.
No final dos anos 90 tudo aquilo ruiu, mas os preços das propriedades nunca baixaram de volta ao que eram antes. O vasto número de espíritos livres e boêmios nunca voltou após ter sido desalojado. O mundo mudou sim um pouquinho com a primeira revolução ponto-com, mas não de forma total, radical e completa como alguns imaginavam. Nem todo mundo estava pronto para viver inteiramente on-line tão rápido quanto alguns tinham apostado.
Talvez com a Web 2.0, com seus websites comerciais mais socialmente interativos e responsivos - e com Wi-Fi e banda larga mais rápida e bem mais distribuída - algumas dessas mudanças imaginadas possam realmente ocorrer em nossas vidas, mas não com as coisas que a primeira revolução prometeu.
Paradoxalmente, enquanto se torna cada vez mais fácil organizar todo tipo de serviço por nossos telefones ou laptops e acessar informações sem limites, o interesse e a procura por coisas que não podem ser digitalizadas aumenta: performances ao vivo, encontros cara a cara, interações, experiências, gostos, tranquilidade.
Aqueles que frequentam redes de relacionamento social passam a valorizar a autenticidade como um tipo de compensação, já que essas qualidades podem ser falsificadas com muita facilidade no mundo on-line.
*David Byrne, músico, fotógrafo e escritor, mora em Nova York e utiliza a bicicleta como meio de transporte desde o final da década de 70. Escreveu Diários de Bicicleta, publicado no Brasil pela editora Amarilys.

domingo, 30 de maio de 2010

Cupertino - (San Francisco II)

David Byrne*
Mas então olho para Jonathan (na foto com Steve Jobs), de camiseta e com o cabelo quase raspado, e percebo que, sim, ele parece uma versão um pouco mais velha de qualquer garoto clubber britânico. Será que não deve ser chato para ele morar aquí em Cupertino?
Cupertino fica ao sul de São Francisco e a oeste de San Jose. É uma cidade pequena que fica encaixada entre colinas costeiras e vinícolas. Não há muito por aquí - alguns centros empresariais, shopping centers e uma maravilhosa mercearia asiática. As colinas a oeste abrigam muitas das novas mansões que os tecnocratas construíram. Não muito longe estão Hewlwtt-Packard, Google, Sun Microsystems e outras empresas do Vale do Silício, que transformaram uma área anteriormente conhecida como o lar da Universidade de Stanford e a pacata cidadezinha de San Jose em uma usina de ideias, inovações, computadores e TI. A região registra uma intensa concentração de engenheiros, nerds, técnicos, empreendedores, visionários e parasitas.
Pelo que posso dizer, não há muita coisa para se fazer nesta parte da baía. Pedalo minha bicicleta bem sem rumo, descendo por avenidas limpas e impecáveis, e não vejo ninguém por perto - nem caminhando nem de bicicleta. (na foto, Cupertino Memory Park) Todas as vias levam a lugares que são versões do que eu acabei de deixar para trás. Pergunto se o pessoal daquí vai para São Francisco para assistir a shows, mostras ou para provar a inovadora cozinha dos restaurantes de lá. Não, esses caras simplesmente amam seus trabalhos, então eles ficam plantados aqui em seus belos subúrbios, trabalhando até tarde, ou levam trabalho para casa.
Há quantias gigantescas de dinheiro aqui. Na época dos Carnegies, Fricks, Mellons, Dukes e Lauders, bilionários faziam estardalhaço apoiando museus de arte local, hospitais, bibliotecas ou outras causa ou instituição de caridade - como Bill Gates fez com a sua Gates Foundation e Paul Allen fez com a Experience Music Project. Mas o que eu mais sinto é que esta turma prefere encarar desafios dentro de seus próprios ramos escolhidos - desenvolvimento de software, tecnologia de Internet, aparelhos bacanas e o que acontece quando você junta tudo isso. Tenho a sensação de que pelo menos alguns deles não ligam muito para todo o dinheiro que estão ganhando também - eles estão ocupados demais para contá-lo. Tudo é tão real quanto Second Life.
Lembro de São Francisco durante o primeiro boom das ponto com. Naquela época todo mundo ia começar seu próprio negócio on-line, o mundo ia mudar da noite para o dia e os investidores estavam fazendo fila para dar dinheiro a todos os geeks com uma ideia vaga, uma boa conversa e algumas habilidades em programação. O fervor e o entusiamo daquela época podem ser comparados ao Projeto Manhattan e seu empenho na cosntrução da bomba atômica. Isto é, era excitante e tinha potencial para mudar o mundo. Mas aquí a mesma paixão missionária foi incorporada pelos inventores/empreendedores malucos. O futuro parecia pré-ordenado - ninguém jamais precisaria sair de casa novamente. Toda ideia era uma ótima ideia, revolucionária, abalaria o mundo. Não é de se estranhar que o mundo da Web às vezes seja descrito como um legado da era hippie - mais com brinquedos mais caros.
* David Byrne , é músico, fotógrafo e escritor. Nasceu na Escócia e mora em Nova York desde o final da década de 70, onde utiliza a bicicleta como meio de transporte. Escreveu Diários de Bicicleta, publicado no Brasil pela editora Amarilys.

sábado, 29 de maio de 2010

São Francisco

David Byrne*
Estava chovendo quando chequei aqui ontem à noite, mas hoje o céu clareou e esta cidade brilha com  a luz cristalina do norte da Califórnia, que faz tudo se destacar. Todos os prédios e pessoas têm linhas duras e frias. É bucólico e difícil de acreditar - uma paisagem de cartão postal, irreal. A bicicleta dobrável que eu trouxe vai ser útil.
São Francisco é filosófica e politicamente simpática às bicicletas (na foto, faixa de proteção para bicicletas, perto da rua Castro), mas não em termos geográficos - suas famosas ladeiras podem fazer alguém pensar duas vezes antes de dar umas voltas pela cidade, mesmo com a cidade propriamente dita sendo concentrada, como Manhattan ou uma cidade europeia. A organização de ciclismo local lançou um mapa maravilhoso que mostra, pela variação de tons de vermelho, o quanto cada rua é íngreme. Uma rua marcada de rosa claro é uma subida leve, mas um vermelho escuro é uma grande ladeira a ser evitada, a não ser que você seja masoquista. Felizmente, esse mapa permite que se planeje uma viagem livre de ladeiras em uma única olhada. Eu não teria pensado nisso, mas você pode planejar uma rota partindo e chegando a quase qualquer lugar e evitar as piores ladeiras - ou quase.
Minha amiga Melanie, organiza uma excursão até a sede da Aplle em Cupertino, próximo daquí, ao sul, e um almoço com o diretor de arte, Jonathan Ive (foto). A equipe de Ive desenhou o iMac original e seus sucessores, o iBook original e seus sucessores, o Power Mac, o Power Mac G4 Cube, o PowerBook, a família iPod e muito mais.
Ive faz uma pequena apresentação com um PowerBook desmontado, mostrando-nos que mesmo por dentro ele é inteligente e elegantemente projetado. Ele parece tão orgulhoso dos intricados mecanismos e peças invisíveis da parte interna como do elegante lado externo. Ele acredita que o design envolve tudo: não é apenas uma decoração do lado de fora que faz tudo parecer bacana, mas se estende às coisas que a maioria de nós nunca vai ver. Nos círculos da Bauhaus e da Wiener Wetkstätte, enfeites desnecessários eram proibidos - considerados não essenciais e supérfulos à integridade do objeto ou da arquitetuta - e assim eram descartados. É famosa a comparação de Adolf Loos¹ entre a decoração e o diabo. Será que o orgulho de Ive pelo design total de seus Power Books carrega desse legado?
Não acho que essa demonstração seja apenas uma questão de ego e orgulho. Ive sugere que, de fato, um interior elegante faz a coisa funcionar melhor também - que um bom design se iguala a uma boa funcionalidade - que se o verdadeiro caminho do bom design for seguido da maneira criteriosa, então não só o objeto terá uma aparência atraente, mas será também um objeto melhor.
____________
¹-N.T.: Arquiteto europeu conhecido pela autoria de um ensaio/manifesto intitulado Ornamento e crime, no qual proclama que a evolução da cultura progride com a eliminação da ornamentação em objetos utilitários.
* David Byrne, é mundialmente conhecido por seu trabalho como músico à frente da banda Talking Heads, cult dos anos 80. É formado em Design e vive desde o final da década de 70 em Nova York, onde utiliza desde então a bicicleta como meio de transporte. Escreveu Diários de Bicicleta, Editora Amarilys.

sexta-feira, 28 de maio de 2010

Londres (V) Voltando para casa)

David Byrne*
Mais tarde, na mesma noite, desmonto minha bicicleta no quarto do hotel. O banco, o guidom e as rodas saem e o quadro se dobra formando uma mala. É hora de voltar para casa em Nova York. Às vezes, os funcionários do hotel não gostam de me ver chegando de bicicleta, mas em geral ela entra escondida na mala e eles sequer têm ideia de que estou aqui no meu quarto usando uma chave Allen e luvas de borracha para não sujar as mãos de graxa, montando ou, neste caso, desmontando o meu meio de Transporte.
Um executivo sentado de frente para mim no saguão do aeroporto de Heathrow está fazendo barulhinhos de bebê no celular.
Pego uma cópia da Newsweek no avião e logo percebo o quanto as revistas de atualidades dos EUA são enviesadas, tendenciosas e dogmáticas. Não que a imprensa europeia ou britânica também não seja enviesada, com certeza ele é, mas quem vive nos Estados Unidos é constantemente lembrado e levado a crer que a nossa imprensa é livre e independente. Depois de passar tão pouco tempo fora, fico surpreso ao ver o quanto isso é uma mentira descarada....
* David Byrne, é músico, fotógrafo e escritor. escreveu Diários de Bicicleta, Editora Amarilys

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Londres (IV) - O que foi ainda é

David Byrne*
A manhã chega, eu acordo e está fazendo sol! Pedalo pelo calçadão de South Bank até chegar ao Museu Tate Modern (foto). Lá, dentro de uma outra exposição, fica uma única sala de pôsteres de uma revista russa publicada nos anos 30 chamada USSR in Construction, que já passou pelas mãos de Rocdchenko, El Lissitzky e outros artistas bastenates radicais da época. Os Layouts são lindos - obviamente criados como peças de propaganda ideológica (a revista era publicada em diversas línguas) - às vezes bregas que só vendo, mas maravilhosos.
Alguém que nunca ouviu falar da União Soviética poderia olhar para essas composições lindas e radicalmente inovadoras e pensar, "Nossa, que lugar fantástico, que cena mais descolada devia ser essa, e que governo iluminado eles deveriam ter para produzir e patrocinar uma revista tão legal!". (Décadas depois, alguém poderia ter dito o mesmo sobre as exposições internacionais de arte abstrata e turnês de jazz patrocinadas pelo governo dos EUA - e de fato era essa a intenção.)...
O que em geral é denominado como realismo socialista não foi um movimento exclusivamente russo. Murais de propaganda ideológica exaltando fábricas e operários também foram produzidos em Nova York e outros lugares. Existem esculturas de baixo relevo entalhadas em prédios no centro de Manhattan, mostrando os funcionários da imprensa que trabalhavam lá dentro. Em uma calçada do meu bairro, há uma enorme estátua de bronze de um homem curvado sobre uma máquina de costura, e uma outra escultura de uma agulha e botões gigante. Glória aos trabalhadores semi-escravos das confecções locais! Por outro lado, ao que parece, o culto ao grande líder vivo não conseguiu firmar tantas raízes aquí como no oriente.
Cruzo o rio, passando por uma moderna ponte de pedestres (ponte do milênio), para chegar à Catedral de São Paulo (ao fundo na foto - onde uma música muito sinistra de órgão estava tocando - com acordes grandiosos e soturnos).
 A porta giratória da entrada tem a seguinte frase: " Esta não é senão a casa de Deus; este é o portão do paraíso."
É uma frase e tanto para uma porta giratória!
Acho que você pode ler a mesma coisa de trás para a frente quando está lá dentro.
* David Byrne, músico, fotógrafo e escritor, nasceu na Escócia e vive em NY desde final dos anos 70, onde utiliza a bicicleta como meio de transporte. Formado em Design, é o autor do livro Diários de Bicicleta, Editora Amarilys.

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Londres (III) - Vida no campo

David Byrne*
No caminho de volta ao hotel, atravesso de bicicleta o Hyde Park (foto). O sol está brilhando forte, o que é raro nesta cidade. Há várias pessoas passeando com o que me parecem ser cães de gente rica. Eu só encontro raças seletas pelas ruas: setters irlandeses amarelos, terries escoceses (brancos na maioria) e um ou outro galgo. Quase nenhum outro membro do mundo canino pode ser visto. O mesmo serve para as pessoas - só algumas poucas espécies parecem andar pelo parque.
Passo pelo que suponho ser uma senhora de classe alta com seus filhos. Ela está com um traje completo - casaco de caça verde, calça bege e botas Wellington. Será que ela está planejando uma tarde radical? Achar uma área mais macia no gramado para afundar as botas na lama? Caçar alguns dos patos ou gansos do parque? (As cores que ela está usando serviriam como uma ótima camuflagem.) Os filhos dela também estão vestidos para um "passeio no campo". Versões em miniatura da mamãe. É incrível como embora estejam no meio de uma das maiores cidades do mundo, elas ainda possam fingir para si mesmos que estão no alto das montanhas escocesas. Bom, nem tanto - nós sabemos que aquí, mais do que na maioria dos outros lugares, as roupas servem como indicação da sua classe social.
Depois de almoçar no hotel, saio de novo, desta vez pelo calçadão ao longo da margem norte do rio até chegar a Torre da Ponte, que está cheia de turistas, onde eu sigo pelo sul sobre a ponte até uma pequena ruia lateral onde fica o Museu de Design. Tom Heatherwich é curador da Conram Foundation Collection Show, exposição instalada com maestria, hilária e emocionante. A exposição é composta por trinta mil libras - o orçamento do projeto - das coisas mais estranhas que ele conseguiu reunir; algumas são obras de alto design, mas a maioria não. O interessante é que esse projeto não tem nada a ver com a loja Conran, a não ser pelo fato de que Sir Conran faz parte do conselho do museu e patrocina esta exposição em particular...
Depois de ver a exposição, tomo chá com a (agora ex) diretora do Museu de Design, Alice Rawsthorn, que consegue entrar em sérias discussões filosóficas mais rápido do que qualquer outra pessoa que eu já conhecí. Ela logo me perguntou se eu já tinha conhecido alguém realmente interessante entre os jornalistas que me entrevistaram nos últimos tempos. Respondí comentando uma ideia que me ocorreu em relação à imagem das pessoas criativas, especialmente artistas como eu.
O público tende a pensar que o trabalho criativo é a expressão de um desejo ou paixão pré-existente, uma sensasão que se manifesta, e de certa forma, isso até é verdade. Como se um violento rompante de paixão, fúria, amor, sofrimento ou desejo dominasse o artista ou compositor, como poderia acontecer com qualquer um de nós, mas com a diferença de que os artistas não tem outra alternativa a não ser expressar esses sentimentos através de algum meio criativo...
O trabalho criativo é na verdade semelhante a uma máquina que escava e encontra coisas, elementos emocionais que servirão algum dia como matéria prima para que mais coisas sejam produzidas, coisas como ela mesma - uma argila disponível para usos futuros.
* David Byrne, músico, fotógrafo e escritor, nasceu na Escócia e vive em Nova York desde o final da décda de 70. Utiliza a bicicleta como meio de transporte em suas viagens pelo mundo. Escreveu Diários de Bicicleta, Editora Amarilys. (pag. 216)

terça-feira, 25 de maio de 2010

Londres (II) - A polícia interior

David Byrne*
Pela manhã, pedalo rumo ao leste, saindo do hotel em Shepherd’s Bush e atravessando a cidade até a Galeria Whitechapel, onde tenho uma reunião com Iwona Blazwick, a diretora, sobre uma possível conversa mais séria depois do outono. Isso me faz passar mais ou menos em linha reta por Londres, de leste a oeste, ao norte do rio Tamisa. Eu poderia ter ido por uma avenida de várias faixas que vai até lá (de Westway até Marylebone Road e Pentonville Road – que são todas a mesma avenida na verdade), mas prefiro passar pelos pontos mais famosos da cidade, coisa que, segundo Henriette Mortensen, da Gehl Architects, um grupo dinamarquês de consultoria e planejamento urbano, é uma espécie comum de instinto urbano. Ela me disse que em certas partes de Nova York há pouquíssimos pontos reconhecíveis, o que deixa as pessoas um pouco desnorteadas às vezes. Não que elas fiquem totalmente perdidas – embora isso possa acontecer com turistas – mas o nosso limitado senso instintivo de localização exige mais referências em algumas áreas. Em várias cidades, esses marcos são prédios famosos, pontes e monumentos. Um arco do triunfo, uma velha estação de trem ou uma praça com uma torre ou uma igreja no meio são exemplos comuns. Em diversos lugares, tudo isso foi construído em épocas de prosperidade, o que me faz pensar se os arranha-céus de aço e vidro que estão surgindo por toda parte agora – alguns com formas malucas, parecidos com picles ou pirâmides de ângulos agudos – algum dia serão vistos pelas gerações futuras como os marcos charmosos que dão identidade às suas cidades. Será que no futuro esses bizarros monólitos de aço e vidro espelhado poderão causar o mesmo impacto que a Torre Eiffel, o Zócalo e o Arco de Mármore causam hoje?
Meu caminho passa pelo Hyde Park, o Arco de Mármore, o Palácio de Buckingham, Picadilly Circus, a região dos teatros e o Mercado de Spitalfieds. Não é a rota mais curta até Whitechapel, mas zanzar de um marco histórico a outro me dava a sensação de estar em um gigantesco jogo de tabuleiro – e era muito gratificante. Cada marco fica bem perto um do outro, então a jornada rumo ao meu destino era como uma série de passos gigantes.
Assim que eu chego, nós conversamos tomando chá e Iwona me fala que esteve há pouco tempo no Irã para visitar alguns dos artistas de lá. Ela me conta que a maioria deles é surrada regularmente por agentes do governo e que eles já incorporaram isso aos seus estilos de vida e à forma de se vestirem, usando seis calças nos dias em que serão espancados.
Não por acaso, o rumo da conversa volta-se então para as sociedades patriarcais, e ela comenta que as sociedades que dividem os sexos às vezes fazem isso para encorajar a violência e a agressão para que as pessoas sejam mais belicosas.
Em dado momento, para exemplificar essa idéia de que pessoas oprimidas se tornam opressoras, ela menciona a agressividade da dominação de Israel sobre os palestinos e o comportamento agressivo dos israelenses como se isso fosse um fato incontestável. Eu não discordo totalmente, mas fico surpreso por ouvir isso sendo dito assim tão abertamente. Nos EUA, e ainda mais em Nova York, existe uma censura interna não muito sutil que cerceia declarações como essa. As pessoas nunca fazem comentários deste tipo, e, se fazem, são alvo de olhares reprovadores ou acusações de anti-semitismo.
Eu me pergunto quantos outros aspectos do pensamento norte-americano também sofrem essa autocensura. Vários imagino eu. Toda cultura precisa ter suas zonas proibidas.
* David Byrne nasceu na Escócia e mora em Nova York desde o final dos anos 70. Fez parte da banda cult dos anos 80 , Talking Heads. Viaja pelo mundo com sua bicicleta desmontável e escreveu o livro " Diários de Bicicleta" , fonte deste blog. 

segunda-feira, 24 de maio de 2010

LONDRES (I)

David Byrne*
Londres não é uma cidade planejada, o que pode ser tanto bom como ruim para quem anda de bicicleta. Conhecendo bem as ruas, você pode ziguezaguear pela cidade e escapar das grandes e congestionadas avenidas que serpenteiam através do labirinto de ruas menores. Usando essas artérias secundárias, é possível chegar até seu destino percorrendo mais ou menos a menor distância entre dois pontos. Por outro lado, como não sou um nativo, acabo tendo que consultar o mapa várias vezes, já que as longas ruas daqui podem fazer com que as pessoas se percam – você pode, por exemplo, estar indo para noroeste e não para oeste sem nem se dar conta e ir se afastando gradativamente do seu caminho por quilômetros.
Londres é enorme para uma cidade antiga. A maioria das capitais européias é bem compacta, mas Londres, que na verdade é uma junção de vilarejos menores, tem vários centros, e seus lugares interessantes podem estar a quilômetros de distância uns dos outros. Como resultado, suas pedaladas podem ser longas e árduas. Isso não implica necessariamente uma viagem mais demorada do que se você fosse de metrô, mas às vezes eu chegava meio suado ao meu destino.
Depois de muitos anos, aprendi a não preencher todos os meus dias de viagem só com trabalho e a separar um pouco de tempo livre, um respiro, para que eu pudesse manter a sanidade apesar da sensação de deslocamento que acompanha essas viagens. Vagar pelas ruas limpa a sua cabeça de problemas e preocupações que podem estar se esgueirando e, às vezes, pode até ser inspirador. Eu prefiro ir a exposições de arte contemporânea por ser uma área coma qual estou envolvido...
Estereótipos Culturais
Começa a escurecer enquanto eu volto para o hotel. Pedalar por essas sinuosas ruas secundárias é um prazer, especialmente em um dia de sol. A cidade tem proporções bastante humanas e “casinhescas”, como diz minha amiga C.
Imagino que existam normas limitando a altura dos prédios em vários bairros daqui. Ao longo dos anos, isso forçou a cidade a crescer desenfreadamente, o que por sua vez, piorou o trânsito. Em geral, os prédios têm menos de dez andares, e esses detalhes de escala e da arquitetura contam uma história sobre como os ingleses se enxergam como pessoas e como nação. “Nós podemos ser sofisticados, elegantes e aristocráticos; titãs criativos; imperialistas e exploradores, mas no final das contas, somos pessoas simples do campo, acostumados a viver em casinhas”....
Saio das ruas secundárias e chego às grandes vias públicas como a Regent Street e a Piccadilly, que são bem complicadas para os ciclistas por causa de seus enorme ônibus vermelhos e da ausência de ciclovias, embora de modo geral eu venha tendo sorte com o clima e o trânsito.
Tomo alguns drinques com Verity McArthur, da Roundhouse, uma casa de eventos reformada há pouco tempo, e Matthew Byam Shaw, um proditor da peça Frost/Nixon, e algumas outras pessoas.
Nós nos encontramos em um clube particular em Convent Garden chamado Hospital, montado recentemente ao que parece por Dave Stewart (da banda Eurhythics) em um antigo, bom, hospital. (click e veja).
Quase todo mundo está com seus laptops abertos sobre as mesas do lugar. Todos interagindo, trocando e-mails e mensagens instantâneas (imagino eu), e bebendo, tudo ao mesmo tempo. Talvez eles estejam todos em meio a uma frenética socialização virtual - tentando decidir para onde irão mais tarde? Ou será que a interação com pessoas reais não é tão estimulante?
O pessoal por aquí adora esses clubes particulares, e eles só começaram a aceitar mulheres depois dos anos 80, mais ou menos, pelo que me disseram. Isso deve ser um legado do sistema de classes que ainda se perpetua obstinadamente de várias maneiras. Sob essa ótica classista, as pessoas precisam se diferenciar do "povão" sempre que possível - com seus discursos, roupas e, é claro onde elas bebem. Mesmo que não seja da alta sociedade, é preciso se isolar de quem está um pouco abaixo ou até mesmo daqueles ao seu lado que são diferentes de você de alguma maneira.
* David Byrne , escocês, músico e escritor, reside em Nova York desde o final dos anos 70

domingo, 23 de maio de 2010

Finalmente: "How New Yorkers Ride Bikes" - o evento.

Byrne no palco acompanhando"Classic Riders Bicycle Club"
David Byrne*
Tenho que mudar algumas das minhas idéias para o evento. Torna-se óbvio que um painel de discussões envolvendo numerosas entidades e representantes municipais podem ser uma receita para o tédio e os discursos chatos, então eu desisto da idéia de que algum consenso ou compromisso vá ser alcançado entre esse povo todo ao longo de uma noite. Fica decidido que os órgãos oficiais e as organizações vão apenas apresentar o que realmente irão fazer em um futuro próximo – nada de idéias vagas, mas planos concretos. Naturalmente, isso vai proporcionar apresentações menores.
Na noite do evento eu chego com uma câmera presa ao meu capacete – bem, a filmagem e minha narração foram na verdade gravadas no dia anterior, mas parece que é ao vivo. A câmera mostra o meu ponto de vista enquanto eu lido com o trânsito da Rua 42 e percorro p caminho até o teatro, o tempo todo com comentários rápidos sobre dicas para pedalar no trânsito de Nova York (“preste atenção em carros sedan e pessoas com placas de Nova Jersey”). O fato de ter usado uma câmara com lentes de ângulo aberto torna tudo um pouco mais assustador do que é – carros e pessoas aproximam-se de repente da tela – o que deixa mais divertido. Mas provavelmente não encoraja muito um passeio.
Eu entendo que as coisas não vão mudar da noite para o dia, mas este evento pode acabar sendo uma chance de reunir um monte de pessoas diferentes em um momento oportuno. Pode servir como um tipo de encorajamento tácito, um reconhecimento visível de que a mudança é possível, talvez até provável, e que usar bicicletas como meio de transporte na cidade de Nova York pode ser ok – se não agora, então certamente em um futuro bem próximo.
No final, o evento, que aconteceu em outubro de 2007(clik e veja máteria), foi bem sucedido, embora eu ache que tenha sido um pouco longo. Nós fomos precavidos demais e talvez tenhamos tido mais “atos” do que precisávamos, porque ficamos receosos de não ter conteúdo suficiente. Tivemos muito. Correu tudo bem, mas de vez em quando eu queria apertar o botão de avançar.
* Músico, fotógrafo e escritor. David Byrne nasceu na Escócia e vive em NY desde o final dos anos 70. Utiliza a bicicleta como meio de locomoção deste esta época.

sábado, 22 de maio de 2010

Estamos quase prontos para o evento!

Estruturas para prender bicicletas em NY - design e arte
David Byrne*
Rhonda Sherman, da New Yorker, sugere adicionar um pouco de cultura. Na linguagem da New Yorker isso significa mais literatura sobre ciclismo. Calvin Trillin vai ler um texto que ele escreveu sobre andar de bicicleta em Nova York, e Buck Henry vai ler um trecho de uma peça de Beckett sobre uma bicicleta. Rhonda consegue que mengfan Wu edite uma tocante montagem de quatro minutos com bicicletas em filmes - de Butch Cassidy a Caca, o Sapo até uma cena da série de tevê Flight of conchords. O diretor de teatro Greg Mosher é contratado e coordena a noite, e ele cuida para que tudo corra em um ritmo bom e tira um peso incrível dos meus ombros.
A Transportation Alternatives teve a ideia de providenciarmos manobristas para estacionar as bicicletas no ebento(!), já que quase não há lugares para prender bicicletas ao redor do Town Hall e espera-se que muitos ciclistas compareçam.
Estamos quase prontos. Nunca fiz nada assim antes - ser um empresário em vez de me apresentar. Estou um pouco ansioso.
*David Byrne, é músico, fotógrafo e escritor. Formado em Design, vive em NY desde o final dos anos 70

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Young&HeartChorus participam do evento no Town Hall


David Byrne*
O Departamento de Transportes pediu maiores recomendaçãoes ao seu escritório (Jan Gehl). Se eles e a cidade vão ouvir é outra história, mas é um passo comovente.
Em relação ao evento no Town Hall eu agora posso me mexer e me dedicar a garantir as partes mais obviamente divertidas do evento proposto. Eu entro em contato com o Young@HeartChorus **. Eles são um coral de Northampton, Massachusetts, e seu integrante mais jovem tem seus setenta e poucos anos. Eles cantam músicas do Sonic Youth, Ramones, Flaming Lips e Talking Heads(foi assim que tivemos contato). Nem preciso dizer que Road to nowhere ganha significado ainda maior quando cantada por este bando. Eu pergunto se eles cantariam a música "Bicycle race", do Queen neste evento - e algumas outras, já que imagino que farão sucesso. Eles nunca tocaram em Nova York antes, o que é uma surpresa, já que se apresentam direto em festivais do circuito europeu de arte. Eles concordam em participar, mas vai ser preciso intervalos para cochilos e banheiros suficientes para trinta pessoas.
Eu lembro ter visto vários grupos porto-riquenhos e dominicanos pela cidade que enfeitam antigas bicicletas Schwinn muitas vezes também colocando caixas de som gigantes nelas. As caixas garantem que, quando o grupo circula, ele possa levar sua própria trilha sonora de salsa e merengue. Eu abordo um grupo, Eddie Gonzalez and the Classic Riders, e pego seu cartão - eles tem um cartão! Eu os convido a mostrar suas bicicletas no palco e explicar rapidamente o que fazem ( sua entrada no palco acaba sendo com eles tocando música de Hector Lavoe em sua incrível coleção de buzinas customizadas).
Eu ví um site inglês, da Warrington Cycle Campaign, que tem uma seção chamada " Instalação do mês", com maravilhosas legendas irônicas para fotos com ciclovias locais que levam para o meio do trânsito pesado ou dão em cabines de telefone. Um representante desse grupo concorda em fazer uma pequena apresentação humorística de slides no evento da Town Hall.
* David Byrne, é músico, Design, fotógrafo e escritos. Mara em NY desde final dos anos 70.
**Young@Heart - HeartChorus: http://thecia.com.au/reviews/y/images/young-at-heart-production-notes.pdf
,

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Jan Gehl, mudando Copenhague

David Byrne*
Por meio da Transportation Alternatives, uma organização local, sou apresentado a Jan Gehl (clik e assista vídeo)foto), um visionário, porém prático planejador urbano que com sucesso transformou Copenhague em uma cidade simpática para pedestres e ciclistas. Pelo menos um terço de todos os trabalhadores de Copenhague vai a trabalho de bicicleta agora! Ele diz que metade deles irá aderir em breve. E ele não está sonhando.
Nós aquí em Nova York podemos  achar que isso é bom e natural para dinamarqueses, mas que nova-iorquinos são enfezados e têm uma mentalidade mais independente, então isso não pode acontecer aqui (a razão pela qual as pessoas sentem que dirigir um carro deixa alguém com uma mentalidade mais independente é um mistério para mim).
Mas Gehl revela que de início suas propostas foram recebidas lá extamente com o mesmo tipo de oposição: os moradores disseram, "Nós dinamarqueses nunca vamos concordar com isso - dinamarqueses nunca vão usar bicicletas".
Em uma apresentação de slides ele mostra as imagens de antes-e-depois de uma rua. Aquí está o depois:
Antes, a área que margeia esse canal era usada como estacionamento, os carros circulavam por ali procurando vagas. Esse lugar adorável era, há não há muito tempo, basicamente um feio estacionamento e um lugar de passagem. Agora é um destino. Os carros ainda podem circular por lá, mas não estacionar. E dessa pequena mudança a área explodiu como um agradável ponto de encontro e até turístico. A cidade nem teve de investir em "melhorias" caras para permitir que isso acontecesse. Os usuários e comerciantes locais fizeram as melhorias - colocando cadeiras do lado de fora e instalando toldos - embora no início muito deles tenham reclamado que se as pessoas não pudessem parar em frente aos seus estabelecimentos seus negócios iriam sofrer. Essa parece ser a maneira como Gehl trabalha, fazendo , aquí e ali, mudanças relativamente pequenas ao longo dos anos que acabam por transformar a cidade inteira, tornando-a um lugar melhor de viver.
Gehl concordou em participar do evento no Town Hall e dar uma pequena palestra! Há pouco tempo ele foi contratado como consultor pela cidade de Nova York e fez estudos da situação em outras cidades - Amsterdã, Melbourne, Sidney e Londres. Na foto ao lado, proposta de Gehl para requalificação urbana de uma grande metrópole.
* David Byrne, formado em Design, é músico, fotógrafo e escritor. Integrou a band Cult dos anos 80, "Talking Heads" e, vem divulgando os trabalhos de vários artistas brasileiro, como Tom Zé, Os Mutantes e Margareth Menezes.
Publicou em 2009 o Livro que inspira este blog : Diários de Bicicletas, Editora Amarylis.

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Bicicletas são utilizadas pelo Google para o serviço Street View

Funcionário do Google pedala triciclo em Paris com equipamento que grava imagens para o serviço Google Street View .

Facebook
Nos últimos meses, a rede de relacionamentos passou a considerar a maior parte das informações sobre usuários como automaticamente pública, e alguns dados pessoais passaram a ser fornecidos a outros sites.
"Tanto Google como Facebook fizeram uma contribuição não solicitada à causa das organizações que defendem a privacidade", disse Jeff Chester, do Center for Digital Democracy.
--------------------------------------------------------------------------------

Preocupação do Evento - Pedalar com Segurança em NY

David Byrne*
O tempo passa; há reuniões com agentes municipais e com Yves Behar e a Fuseproject, sua empresa de design. Em uma parte do evento, Yves e seu sócio Josh vão apresentar um novo tipo de capacete ciclístico moderno, algo que pessoas não esportivas possam usar. Yves e a empresa estão intrigados pela idéia, assim como o Departamento de Saúde (dentre outros órgãos oficiais).
O que do Departamento de Saúde e ciclistas tem a ver? Bom, ter seu celebro espalhado pelo asfalto não é nada saudável. O Departamento de Saúde fez distribuição de preservativos em Nova York, planejada pela Fuseproject, e eles colocaram suportes com preservativos grátis em clubes, restaurantes e bares pela cidade (instalados perto dos banheiros, eu imagino). Então há uma relação pré-estabelecida aqui.
Se houvesse fundos (privados) eles adorariam fazer distribuição maciça de capacetres, ou até de bicicletas – mas essa é uma idéia para o futuro.
O protótipo do capacete da Fuseproject consiste em uma dura casca de proteção que pode ser colocada dentro de vários tipo de capa - uma capa quente de lã com protetores de ouvido para invernos frios, uma capa de malha porosa para os dias quentes de verão. Uma ideia muito digita-tecnológica, capas variáveis. A proposta é que fabricantes terceirizados, grifes, marcas de artigos esportivos ou qualquer um que queira uma nova plataforma de propaganda - possam depois desenvolver suas próprias capas e vendê-las ou patrociná-las. O design permite que quem vai para o trabalho também possa prender a casca na bicicleta e guardar a capa - a única parte que toca a pele da pessoa - discretamente em uma maleta ou bolsa de mão.
Por mais que isso seja bom, eu pessoalmente sinto que capacetes podem ser um passo provisório na direção da integração urbana do ciclismo. Embora eles sejam uma boa ideia, o uso de capacete sugere que andar de bicicleta é perigoso, o que, hoje , em cidades com Nova York,e Londres, geralmente é , mesmo. Mas em outras como Amsterdam, Copenhague (foto - blue line), Berlim, as ciclovias e rotas são tão seguras que os ciclistas não sentem a necessidade de se proteger. Os ciclistas nestes lugares - crianças, jovens criativos, homens de negócios, idosos - também tendem a pedalar com postura elegante; bem vestidos, e até sexie.
É uma atitude diferente da abordagem de guerra da cidade de Nova York.
(Nt. Em Salvador , no rio e em São Paulo nem falar)
* David Byrne é mundialmente conhecido por seu trabalho como músico à frente do Talking Heads, cult dos anos 80. Byrne foi também responsável por distribuir internacionalmente nomes da world music como Tom Zé, Os Mutantes e Margareth Menezes. Nascido em Dumbarton, na Escócia, frequentou o Rhode Island School of Desing. Atualmente vive em Nova York

terça-feira, 18 de maio de 2010

Apoiando a Bicicleta nas cidades

David Byrne*
Parte da minha motivação pessoal para fazer este evento é questionar se o engajamento civil, propostas de melhorias, discussões e ações podem ser combinados com sucesso à arte e ao entretenimento – se cultura humor e política podem misturar-se e se tentar fazer da nossa cidade um lugar melhor para viver pode ser divertido. Essa idéia é, para mim, quase tão importante quanto toda essa luta em defesa do ciclismo. Se a luta for chata, então esqueça.
* David Byrne é músico, fotógrafo e escritor. Mora em NY desde os anos 80

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Imaginando um evento sobre ciclismo em New York

David Byrne*
Há mais nova-iorquinos andando de bicicleta do que nunca. E não apenas entregadores. É significativo que, aparentemente, muitos jovens modernos não vejam mais o ato de andar de bicicleta como algo totalmente “démodé”, o que sem dúvida era o caso quando começei a pedalar pó aí, no final dos anos 70 e começo dos anos 80. Sinto que podemos estar nos aproximando do ponto de virada, para invocar um termo agora clichê. Os nova-iorquinos estão em um estágio em que podem, se tiverem a chance e a oportunidade, considerar uma bicicleta como um meio válido de transporte – se não para eles mesmos, então ao menos irão admitir que seja um meio válido de transportes para nova-iorquinos. Eles podem até apoiar e encorajar.
Então com algum tênue otimismo, eu decido que pode ser a hora de tentar dar um empurrãozinho à idéia da bicicleta-como-meio-de-transporte, organizando algum tipo de fórum público sobre o assunto. Eu acabo gastando um ano tentando levantar do chão um evento relacionado ao ciclismo, e estou prestes a desistir quando, por meio de uma conexão com outro projeto, a revista New Yorker se oferece para patrocinar o evento no Town Hall. É o lugar ideal para algo desse tipo, tendo sido historicamente um lugar onde a pauta do dia era apresentada e debatida.
Eu imagino o evento como uma noite centrada em uma reunião, um fórum, constituído por gente comum, defensores do ciclismo e represntantes municipais dos departamentos de transportes, parques e jardins, planejamento urbano, saúde bem como o Departamento de Polícia.
* David Byrne , mora em New York. É músico, escritor e fotógrafo

domingo, 16 de maio de 2010

Nova York (II)

David Byrne*
Em uma bicicleta, estando apenas um pouquinho acima do nível de visão de um pedestre e de um carro, tem-se uma visão perfeita do que está acontecendo em sua própria cidade. Diferentemente do que acontece em muitas outras cidades americanas, aquí em Nova York quase todo mundo é obrigado a pisar numa calçada e encontrar outras pessoas pelo menos uma vez por dia - todo mundo faz pelo menos uma breve aparição pública. Eu uma vez tive de desviar para não atropelar Paris Hilton, segurando seu minúsculo cachorrinho, atravessando a rua no sinal aberto e olhando ao redor, como dissesse " Eu sou Paris Hilton, vocês não estão me reconhecendo?." Do ponto de vista de um ciclista você vê tudo isso muito bem.
Bem em frente a um teatro em Midtown um homem passa de bicicleta - uma daquelas lowrider¹. É um homem adulto, com uma aparência bastante normal, exceto pelo fato de ter um sistema de som monstruosamente grande preso à frente da bicicleta.
Eu continuo pedalando a minha e poucos minutos depois outra bicicleta com boom box passa. Desta vez é uma mulher, estilo leitora-de-Jane-Austen-que-veste-sapatos-confortáveis. Ela está em uma bicicleta comum, mas, mais uma vez, com um boom box (menor) preso à traseira.... Não consigo identificar a música.

Arquétipos de cidade

Há uma revista na prateleira da entrada do restaurante paquistanês onde eu costumo almoçar, chamada InvAsian: Um diário para os culturalmente ambivalentes.
O que existe em certas cidade e lugares que incentiva atitudes específicas? Sou eu que estou imaginando que isso existe? Até onde a infraestrutura das cidades molda as vidas, o trabalho e as emoções de seus habitantes? Muito significativamente, eu imagino. Toda essa conversa sobre ciclovias, prédios feios e densidade populacional não envolve apenas essas coisas, trata-se também do tipo de gente em que essas coisas nos trasformam. Eu não acho que seja imaginação minha que as pessoas que  se mudam de qualquer lugar para Los Angels inevitalvelmente perdem as características do ambiente de onde vieram e acabam criando trabalhos tipo-LA e sendo pessoas tipo-LA. As atitudes criativas, sociais e cívicas dependem do ambiente de onde vivemos? Sim eu acredito nisso. Como isso acontece? É algo que se infiltra sorrateiramente através da pressão dos amigos e de conversas casuais? É a água, aluz,o clima? Há uma sensibilidade de Detroit? Menphis? Nova Orleans(Sem dúvida.) Austin? (Certamente.) Nashville? Londres? Berlin? ( Eu diria que há um senso de humor berlinense, com certeza.) Düsseldorf? Viena (Sim.) Paris? Osaka? Melbourne? Salvador? Bahia? (Com certeza).

¹N.T.: Bicicletas baixas, com pneus menores e mais largos. A posição de pilotagem se assemelha à das motos estilo Harley Davidson
* David Byrne, é músico, fotógrafo e escritor. Reside em New York desde a década de 80.

sábado, 15 de maio de 2010

Nova York ( I )

David Byrne*
Pedalo quase todos os dias aquí em Nova York. Está ficando mais seguro fazer isso, mas tenho que ficar bem alerta quando faço isso nas ruas em vez de na nova ciclovia do Rio Hudson ou outras rotas mais protegidas. A cidade criou muitas ciclovias nos últimos anos, e agora afirmam que há mais delas aquí do que em qualquer outra cidade dos Estados Unidos. Porém, infelizmente, a maioria delas não é segura o bastante para que alguém se sinta realmente tranquilo, como é possível na quase finalizada ciclovia ao longo do Hudson ou em muitas cidades europeias. Isso está mudando, aos poucos. À medida que novas ciclovias são feitas, algumas delas são mais seguras, construídas entre a calçada e os carros estacionados ou protegidos por uma barreira de concreto.
Entre 2007 e 2008 o tráfego de bicicletas em Nova York cresceu 35%. Difícil dizer quem causa o que aquí - se ter mais ciclovias inspirou um maior uso de bicicletas ou se foi o contrário. Fico feliz em suspeitar que, pelo menos até o momento, tanto o Departamento de Transportes como os ciclistas de Nova York estejam na mesma sintonia. Quanto mais jovens criativos passam a residir no Brooklyn, mais aumenta o número de suas bicicletas cruzando as pontes. O tráfego de bicicletas na Ponte de Manhattan quase quadruplicou ano passado (2008) e o da Ponte de Williamsburg triplicou. E esses números vão continuar a crescer, já que a cidade continua a fazer melhorias em suas ciclovias e a criar bicicletários e outras facilidades. Neste sentido a cidade está, de certo modo, se adiantando em relação a algo que vai acontecer em um futuro próximo - muito mais pessoas vão usar bicicletas para ir ao trabalho ou para se divertir.
* David Byrne é músico, fotógrafo e escritor. Nasceu na Grã Bretanha e mora em Nova York

sexta-feira, 14 de maio de 2010

New York / Introdução

David Byrne*

Introdução

" A bicicleta é o meio de transporte mais utilizado no mundo"

 Venho usando uma bicicleta como meu principal meio de transporte em Nova York desde o início dos anos 80. Comecei aos poucos e me sentí muito bem, mesmo aquí nesta cidade. Passei a me sentir mais livre e bem disposto. Eu tinha uma bicicleta velha de três marchas que ganhei quando era pequeno nos subúrbios de Baltimore, e para as ruas de Nova York, isso já é mais do que suficiente.
Naquela época, minha vida era mais ou menos restrita ao centro de Manhattan - East Village e Soho- e logo ví que pedalar era uma forma muito fácil de se locomover pela cidade durante o dia ou ir a boates, exposições de arte ou lugares badalados à noite sem precisar recorre a um táxi ou à estação de metrô mais próxima. Eu sei, noitadas e ciclismo podem parecer uma mistura incomum, mas há tantas coisas para se ver e ouvir em Nova York que acabei descobrindo que pedalar era uma forma bastante rápida e eficiente de se ir um lugar a outro. E continuei pedalando, apesar do perigo e de toda a aura nem um pouco descolada, já que muito poucas pessoas andavam de bicicleta na época. Os motoristas não sabiam dividir as ruas com ciclistas e você acabava sendo fechado ou espremido contra os outros carros estacionados mais ainda do que hoje em dia. Quando fiquei um pouco mais velho, acho que sentí também o quanto pedalar era uma boa maneira de se fazer algum exercício mas nem havia pensado nisso quando comecei. Eu apenas gostava de andar pelas ruas sujas e esburacadas da cidade. Era fantástico.
No final dos anos 80, descobrí as bicicletas dobráveis e, conforme o meu trabalho e a minha curiosidade me levavam para os mais diversos cantos do mundo, costumava levá-las comigo. A mesma sensação de liberdade que experimentei em Nova York me acompanhou enquanto pedalava por várias das maiores capitais do mundo. Eu me sentia mais ligado à vida nas ruas do que jamais seria possível se estivesse dentro de um carro ou de algum tipo de transporte público. Podia parar onde bem quisesse; a bicicleta era muitas vezes (muitas vezes mesmo) mais rápida do que um carro ou táxi para ir do ponto A ao ponto B; e eu não precisava seguir nenhum caminho predeterminado. A mesma empolgação voltava a cada cidade sempre que eu sentia a brisa e a agitação das ruas passando à minha volta. Para mim , isso era viciante."
(pg. 13 e 14)
* David Byrne é músico, fotógrafo e escritor. Publicou em 2009 o livro " Diários de Bicicletas", relatando suas aventuras e impressões de pedalar por diversas das maiores cidade do mundo, com sua bicicleta dobrável, que leva consigo em quase todas as viagens pelo Mundo (click e ouça David Byrne)

quinta-feira, 13 de maio de 2010

Berlim

David Byrne*
 Aquí as bicicletas são práticas. Elas são geralmente pretas, com apenas algumas poucas marchas, paralamas, e muitas vezes um cesto - coisa que nenhum ciclista esportivo jamais sonharia em acoplar à sua mountain bike nos EUA. Na Holanda , eles vão ainda mais longe e instalam carrinhos especiais para levar os filhos ou compras e até para-brisas (!) para proteger as crianças. Mas claro, pedalar pelas ruas de Nova York com seus constantes buracos, lombadas e recapeamentos mal-feitos, é mesmo algo mais próximo de um esporte radical do que andar de bicicleta por aquí (em Berlim), onde, por algum motivo, a maioria das ruas é lisa como um tapete e não tem obstáculos, apesar dos invernos rigorosos. Hmmmm. Como eles conseguem fazer isso? Ou melhor, como o país mais rico do mundo não consegue fazer isso?
Alguns podem até dizer que ao construir ruas perfeitas, os alemães também eliminaram os obstáculos psicológicos de suas vidas cotidianas.
Se as ruas de Nova York são mais insanas e descontroladas então estas aquí são ruas que tomaram Prozac - civilizadas -, embora um pouco menos emplogantes. Mas por que nós nos EUA deveríamos ser forçados a andar por " ruas empolgantes?"
Já passei por Berlim várias vezes ao longo dos anos. Na primeira no fim dos anos 70, Berlim me parecia um lugar exótico e empolgante, um ícone da Guerra Fria. Eu me lembro de ter cruzado o bem vigiado corredor que ia de Berlim a Hamburgo - que na época nós víamos como um corredor polonês que atravessa parte da Alemanha Oriental - e depois passar pelo posto de checagem Charlie, o portão controlado pelos EUA no Muro de Berlim, com suas famosas histórias e propagandas mostrando tentativas desesperadas e fracassadas de fugas do leste. Ao mesmo tempo, havia também um quê de decadência evidenciado pelos vários bares punk e discotecas da Berlim Ocidental. Você sempre se lembrava de que estava confinado ali, um prisioneiro em uma ilha de luxúria, cultura e prazer - bem no meio da monotonia, sisudez e idealismo do leste. a cidade era provocadora, uma tentação. Imagino que devia ser mais divertido e um pouco insano morar por lá por causa disso..."
"Por ser quase totalmente plana, a cidade era, e ainda é, um lugar perfeito para se andar de bicicleta, embora os invernos possam ser bem gelados com os fortes ventos que sopram do norte. Berlim tem um ótimo festival de cinema que muitas vezes exibia filmes da Alemanha Oriental e de outros países cuja produção cinematográfica não era conhecida no Ocidente.
Atualmente Berlim é vista como o centro cultural da Europa. Bom, ao menos por alguns.
Berlim é linda no verão. Pela manhã , tento ir passear em Tiergarten, o enorme parque central da cidade e no zoológico, que ficou famoso com o nascimento de um pequeno urso polar em 2007.
Em um dos antigos centros - pré segunda guerra, Postdaner Olatz, gigantescos edifícios de grandes corporações com Sony, Daymler Mercedes, Siemens e outras têm seus novos arranha-céus de aço e vidro na região. Alí perto , o novo centro do governo, trazido de Bonn para cá, também está tentando achar seu espaço. Um terminal ferroviário foi construído para a Copa do Mundo e, para isso, o rio foi desviado e depois canalizado de volta, funcionando hoje como uma moderna hidrovia no centro da cidade, onde turistas de todo o mundo se maravilham com as transformaçõse recentes na nova Berlim. Esse tipo de desenvolvimento não é nada orgânico; trata-se de um planejamento de uma cidade em uma escala gigantesca.
È um experimento colossal que suscita a seguinte pergunta: " Seria possível criar um centro urbano (espetacular) do zero?"
Passeio com minha bicicleta ´por Mitte, onde galerias e os cafés estão sendo atropelados por butiques de luxo, como aconteceu no SoHo em Nova York.
*David Byrne , Cantor, fotógrafo e escitor.
Diários de Bicicleta - Ed. Amarilys (pg(60) - Berlim

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Pedalando em Buenos Aires

David Byrne*
" Buenos Aires: A Paris do hemisfério sul, dizem alguns - graças às suas largas avenidas, cafés e vida noturna agitada. A Avenida 9 de Julio é a mais larga do mundo, então tome essa, Barão Haussmann! Não fosse pelo obelisco cravado no meio dessa avenida, daria para pousar um 747 bem no centro da cidade.
Buenos Aires fica o bastante ao sul para não se enquadrar na zona temperada, o que diferencia esta cidade, assim como Santiago no Chile, do outro lado dos Andes, de seus vizinhos mais ao norte. Existem enormes diferenças psicológicas também - os argentinos costumam se enxergar como um povo europeu e, por consequência, mais sofisticados do que seus vizinhos brasileiros. Naturalmente , aham, os músicos e outros artistas não compartilham desta postura esnobe, mas isso é algo que pode ser notado na arquitetura, culinária e até nas vestimentas.
Embora a Argentina e o sul do Brasil tenham sido colonizados por sucessivas ondas de imigrantes italianos e alemães, entre outros, os argentinos preferem negar a existência de elementos africanos em sua cultura...."
"...Graças ao clima temperado e às suas ruas mais ou menos organizadas, Buenos Aires é ótima para se pedalar. Apesar disso, daria para contar nos dedos de uma só mão o número de moradores locais que andam de bicicleta. Por quê? Estaria eu destinado a encontrar mais uma vez o motivo por trás dessa ausência de ciclistas? Haveria mais alguma obscura explicação secreta esperando por mim? Será que eu sou ingênuo assim? Teria algo a ver com o fato de o trânsito ser tão caótico, os roubos tão frequentes, a gasolina tão barata e o carro um símbolo tão forte de status? Será que é mesmo tão careta andar de bicicleta aquí a ponto de até os carteiros procurarem outros meios de locomoção?
Acredito que não seja por nenhum destes motivos. Acho que a ideia de usar uma bicicleta simplesmente não é cogitada por aqui. O meme do ciclismo ainda não foi inserido na cultura, ou talvez nunca tenha se firmado. Tendo a concordar com Jared Diamond em seu livro Colapso, em que afirma que as pessoas desenvolveram afinidades culturais com certos alimentos, meios de locomoção, roupas e costumes que se tornaram tão arraigados a ponto de, segundo ele, fazer com que as pessoas insistam nesses hábitos mesmo que isso signifique a extinção delas mesmas ou até de toda uma civilização."
* Músico, fotógrafo e escritor

Diários de Bicicleta - Prefácio

Se ele fosse Emerson, convidaria você para viver nos bosques. Se fosse Thoreau, para a desobediência civil.
Que tal? David Byrne o convida para dar umas voltas de bicicleta e mostra como isso se transforma num ato de consciência, numa centelha que pode passar do individual para o coletivo e dar ao planeta mais vida, alento e respeito. O título Diários de Bicicleta , remete a seu predecessor, Diários de Motocicleta (título com o qual o livro foi lançado nos Estados Unidos) , viagem de Che Guevarra pela America Latina. Façam ligações , diferenciações , estabeleçam pontes entre a situação de um guerrilheiro latino e um guerrilheiro cicclista " - Tom Zé

Ao conhecer novos lugares (ou o próprio lugar onde vive) sobre duas rodas, David Byrne percebeu ser possível ampliar a percepção dos ritmos e dinâmicas características de uma cidade, de sua geografia e de seus habitantes,e passou então a registrar em um diário suas observações e descobertas sobre as metrópoles por anda passava.
Diários de Bicicleta é a reunião de vários escritos do autor ao longo dos últimos anos - de Berlim a Buenos Aires, de Istambul a São Paulo, de Manila a Nova York, entre outras. Num estilo despojado que passeia entre ensaio, relato de viagens, diário pessoal e album de fotos, David Byrne registra também suas reflexões sobre uma variedade de assuntos: política, filosofia, música, planejamento urbano, moda, arquitetura local, diferenças culturais, sexualidade, entre outros, sempre com uma mistura muito particular de humildade, curiosidade e bom humor.

domingo, 9 de maio de 2010

Diários de Bicicleta

Desde o início dos anos 80, David Byrne tem usado a bicicleta como principal forma de locomoção em Nova York, cidade onde vive. Quando viaja ou sai em turnê, ele sempre leva consigo uma bicicleta dobrável. A princípio, tal decisão foi tomada por mera conveniência. No entanto, quanto mais cidades visitava, mais o músico se tornava adepto desse meio de transporte.
________________________________________________________________

David Byrne, nasceu em 14 de maio de 1952, Dumbarton, Escócia, Reino Unido. É um músico, compositor e produtor musical, famoso por ter fundado a banda Talking Heads, em 1974, um dos grupos precursores do new wave e worldbeat. Já foi premiados com diversos Grammys. Por seu trabalho como compositor de trilhas sonoras, já recebeu o Óscar e o Golden Globe. Como membro do Talking Heads, Byrne foi incluído no Rock and Roll Hall of Fame.
Byrne além de músico também é fotógrafo e escritor, seu último livro publicado no Brasil é o "Diários de Bicicleta" (Bicycle Diaries), pelo Selo Amarilys da Editora Manole.
Desde 2007, participa do projeto Brighton Port Authority (ou The BPA), com um grupo formado por diversos músicos britânicos encabeçado por Norman Cook, mais conhecido como Fatboy Slim, com quem em 2010, Byrne lançou o álbum Here Lies Love, co-produzido por Cook.

Seguidores